Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘humor’

it’s my party

Poucas coisas me irritam mais do que a não compreensão do auto-sarcasmo.  Há uma percentagem absurda de piadas que morre por falta de sentido de humor de terceiros.

Anúncios

Read Full Post »

reforço de confiança

Não te preocupes, sou um túmulo do Marcel Marceau.

Read Full Post »

“E insistiu em examiná‑la, com manifesta vontade de rir. E com razão. Pois a pseudofada parecia… Parecia, não. Era… Era mesmo um homem vestido de mulher, como se deduzia no desarrumo da cabeleira postiça à banda, no negror evidente da barba mal disfarçada por várias camadas de pó‑de‑arroz, além da maneira canhestra e hirta de andar e da falta daqueles mil e um ademanes femininos tão difíceis de imitar pelos homens. O jeito de pentear os cabelos com os dedos, por exemplo. Embora não desejasse humilhá‑lo, João Sem Medo não evitou um incondescendente riso de chacota.
– Que queres, filho? – explicou a fada falsificada, vexadíssima, a tropeçar na túnica. – Quando telefonaram para a Repartição da 3.ª Mágica a requisitar uma funcionária, só me encontrava lá eu, que sou contínuo, e uma fada já muito velhinha, muito perra, entrevada de reumatismo e com mais de 50 000 anos de serviço activo, quase na idade da reforma por inteiro, coitadinha! E então, por uma questão de prestígio, ofereci‑me para esta fantochada. Nem quero pensar no que diria o Mago‑Mor se não mandássemos uma fada válida para os Dois Caminhos. Pregava‑nos uma descompostura tremenda. Foi por isso que me mascarei e vim… Não julgues, porém, que não percebo de artes mágicas!E estadeou cheio de soberba vaidosa:
– Aqui, onde me vês, transformo com um piparote homens em ratos. E até deito flores pela boca. E sapinhos… Queres ver?
– Não, não – interrompeu João Sem Medo. – Acredito. Embora não entenda porque, sabendo tu tanto de artes mágicas, não te transfiguraste logo em mulher em vez de recorrer a esses ridículos caracóis postiços.
– Porque, segundo a regra primeira da Constituição Secreta do Mundo, só as aparências são susceptíveis de mudança e nunca o que existe de mais profundo nos seres. O sexo, por exemplo. Por mais que isso te espante, ser‑me‑ia fácil transformar‑te em rato, mas nunca em rata.
– Bem, bem. Deixa‑te de lérias – impacientou‑se João Sem Medo. – E, já agora, toma a sério o teu papel de fada e aconselha‑me qual dos caminhos devo seguir: o asfaltado ou o dos pedregulhos?
– Olha, menino – elucidou o contínuo, de roca debaixo do sovaco, a aconchegar a cabeleira para esconder melhor o luzidio da careca –, o bom caminho conduz à Felicidade. E o mau, à infelicidade…
– Vou pelo bom caminho, como é costume, claro – resolveu João Sem Medo, embora desconfiado de tanta facilidade aparente. – O contrário seria idiota e doentio.”

José Gomes Ferreira, Aventuras de João Sem Medo, Panfleto Mágico em Forma de Romance

Read Full Post »

working man

just like this.

Read Full Post »

Tio Melan

Um conservador também gosta de rir. Mas não alarvemente, que é para não provocar lesões musculares. No bairro do Tio Melan também se ri e faz-se rir em Avalon. Em bom rigor é quase tudo a mesma coisa, excepto que aqui há muita lamechice barata.

Via doutora Pirex.

Read Full Post »

o alentejo em toda a parte

Read Full Post »